Destaques

radis

Revista ‘Radis’ de julho traz debate sobre a cultura do estupro

Por Vilma Reis - Abrasco

20/07/16 | 14:07

A revista Radis de julho traz, em sua reportagem de capa, um tema urgente: a necessidade de se debater e combater a cultura do estupro em nossa sociedade. O assunto veio à tona com a notícia do estupro coletivo de uma jovem no Rio de Janeiro em maio. Além da reportagem, que aborda a forma como o sistema de saúde recebe e cuida das vítimas de estupro, a revista traz uma entrevista com a antropóloga Lia Zanotta Machado, da Universidade de Brasília (UNB), mostrando que a desigualdade entre os gêneros e a ideia secular de que o homem é dono da mulher estão na origem de uma cultura que banaliza o estupro. Impulsionada pela barbárie dos estupros coletivos denunciados e noticiados no mês de maio, uma vigorosa reação das mulheres, notadamente jovens feministas, coloca o dedo na chaga do machismo e das leis — as atuais, que desprotegem as mulheres, e aquelas em tramitação, ainda mais retrógradas. É grave a percepção de que há, na sociedade, uma cultura do estupro, que, implicitamente, acoberta a violência contra mulheres e culpabiliza as vítimas, diz o texto.

[Leia Mais] |

tuberculose

Combate à TB: vídeos de encontro já estão disponíveis no Youtube

Por Informe Ensp

13/07/16 | 18:07

Realizado na ENSP no âmbito das comemorações pelo Dia Mundial de Combate à Tuberculose, o debate reuniu especialistas da área e tratou das diversas dimensões da cidadania. Além do sociólogo e diretor do Ibase, Cândido Grzybowski, o evento contou a presença da superintendente do Canal Saúde, Márcia Correa e Castro; de Wagner Oliveira, do Selo Fiocruz; da produtora e roteirista do documentário ‘Diários de Tuberculose – epidemia oculta’, Ieda Rozenfeld; além do coordenador do Observatório Tuberculose Brasil da ENSP, Carlos Basília; e da figurinista e roteirista Bia Salgado.
O sociólogo Cândido Grzybowski proferiu a palestra Cidadania e Saúde, realizada na ENSP em alusão ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose. Cândido, que falou sobre as várias dimensões da cidadania, ressaltou a importância de se perceber e reconhecer, em sociedade, como um indivíduo titular de direitos.

[Leia Mais] |

MARILIA

Vírus emergentes: uma fronteira para a Saúde

Entrevista com Marília Sá Carvalho por Bel Levy - Equipe Brasil Saúde Amanhã

13/07/16 | 17:07

“A epidemia do vírus zika no Brasil lança luz sobre a possibilidade da emergência de novos e desconhecidos vírus, com potencial de causar importante dano à saúde da população. O desafio colocado é a detecção precoce e a oferta ágil de diagnóstico e tratamento adequados”, afirma a epidemiologista Marília Sá Carvalho, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz). Nesta entrevista, ela explica que, se o surgimento de novas patologias sempre ocorreu, a alta velocidade com que passaram a se propagar é uma característica da sociedade contemporânea – o que exige do Sistema Único de Saúde (SUS) ações estratégicas. “O SUS precisa ser capaz de realizar a investigação e o acompanhamento de todas as crianças nascidas no período de risco nos locais onde houve epidemia de zika, de modo que comprometimentos neurológicos sejam detectados precocemente, no âmbito da atenção primária”, defende.

[Leia Mais] |