Publicações do DSS-BR

radis

Vulnerabilidade para além da caridade

As questões ligadas à saúde da população em situação de rua são muito mais complexas do que é possível ver nas praças e calçadas dos centros urbanos. Para começar, estas pessoas vivem em condição de vulnerabilidade, reforçada pela desigualdade de acesso aos direitos fundamentais e pelo estigma que acompanha sua condição. “O reconhecimento dessas pessoas como cidadãos de direitos é recente e ainda não é acolhido na sociedade”, adverte o texto da cartilha Saúde da População em Situação de Rua: um direito humano, lançada em 2015 pelo Ministério da Saúde. O material educativo, destinado a sensibilizar gestores e profissionais de saúde, reforça que até 2009, ano em que foi aprovada Política Nacional para a População em Situação de Rua, as ações do Estado e da sociedade civil destinadas a este público se baseavam em uma ótica assistencialista e higienista, sem levar em consideração suas especificidades e a importância da participação social na efetivação dos direitos e da cidadania.

Por Adriano De Lavor - Radis | 23/06/16 - 17:06 | [Leia Mais] |

Vera

Cidadania, participação social e desenvolvimento territorial

Maior participação dos cidadãos na vida pública, circulação mais intensa de informações, transparência do processo político, intensificação do debate público. Para a pesquisadora Vera Schattan Coelho, coordenadora do Núcleo de Cidadania, Saúde e Desenvolvimento do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), este caminho deve contribuir para o desenvolvimento territorial e a melhoria das condições de vida da população. Nesta entrevista, a pesquisadora da Universidade Federal do ABC analisa os processos de controle social no Sistema Único de Saúde (SUS) e discute suas implicações para o desenvolvimento territorial. Vera destaca que a participação social alcança melhores resultados quando integra sociedade civil mobilizada, gestores comprometidos com o projeto participativo e instituições que facilitam a comunicação entre os participantes.

Entrevista com Vera Schattan Coelho por Brasil Saúde Amanhã | 15/06/16 - 17:06 | [Leia Mais] |

Brasil Debate

Bolsa Família: um direito humano ao qual não se admite retrocessos

No atual momento de instabilidade política, têm sido frequentes as discussões sobre o papel do Programa Bolsa Família (PBF) no Brasil. São poucas, no entanto, as discussões que inserem essa política em um cenário de componente da seguridade social, vista efetivamente como direito, para além de um instituto que simplesmente favorece o desenvolvimento social e econômico. É indiscutível que a segurança de renda é fundamental para a promoção do desenvolvimento econômico, estimulando a demanda agregada e atuando como estabilizadora social em momentos de crise. Ela atua, ainda, de modo crucial no desenvolvimento social, pois promove igualdade de oportunidades, contribuindo para a redução da pobreza e da desigualdade.

Por Iara Azevedo Vitelli Viana - Brasil Debate | 09/06/16 - 15:06 | [Leia Mais] |

Tuberculose e DSS

Sessão científica relaciona os determinantes sociais à produção da tuberculose

No dia 8 de junho, às 10 horas, o Centro de Referência Professor Hélio Fraga, da ENSP/Fiocruz, promoverá a sessão científica Tuberculose e Determinantes Sociais, com palestra do pesquisador Alexandre San Pedro. Na atividade, Alexandre, que é membro do Laboratório de Monitoramento Epidemiológico de Grandes Empreendimentos da ENSP (LabMep), apresentará um estudo sobre a tuberculose como marcadora de iniquidade social em saúde. “A ideia é destacar questões relacionadas aos determinantes sociais de produção deste grave problema de saúde pública em uma área sob intensa transformação socioespacial – o município de Itaboraí”, afirmou o palestrante. A atividade é aberta aos interessados.

Por Informe ENSP | 06/06/16 - 16:06 | [Leia Mais] |

objetivos

Acelerando o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Em setembro de 2015, aproximadamente 200 nações adotaram os 17 objetivos de desenvolvimento sustentáveis (ODSs) como uma estrutura universal, transformadora para tratar três dimensões interligadas do desenvolvimento de nossa existência global – pessoas, planeta e prosperidade. Elas afirmam-se na noção de que sustentabilidade não é só uma aspiração, mas uma necessidade. Entretanto, com a sustentabilidade ampliando o escopo e objetivos de seus predecessores (os objetivos de desenvolvimento do milênio), os ODSs estabeleceram uma teia maior. Para atingi-los, necessitaremos ações coletivas para criar novos conhecimentos, compartilhar saberes, e implementar ideias através do trabalho com outros setores e diversas partes interessadas em políticas de saúde global.

Por Jha A, Kickbusch I, Taylor P, Abbasi K - Centro de Estudos Estratégicos Fiocruz | 02/06/16 - 17:06 | [Leia Mais] | 1 Comentário »

Abrasco

Cenário político dá o tom na abertura da 22ª Conferência de Promoção da Saúde

Mais de 1.500 pessoas prestigiaram a abertura da 22ª Conferência internacional de Promoção da Saúde, realizada ontem, 22 de maio, no Grande Auditório do Teatro Positivo, na cidade de Curitiba (PR). Organizado pela União Internacional para Promoção da Saúde e Educação (UIPES), Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba e Abrasco, o encontro marca a atualidade dos debates sobre a visão ampliada de saúde, que envolve o reconhecimento da diversidade e da intersetorialidade como elemento central para qualidade de vida. As primeiras palavras foram de Simone Tetu Moyses, integrante do comitê global de organização, que deu boas-vindas aos participantes e ressaltou valores como solidariedade e coragem, fundamentais para quem acredita em um novo tipo de fazer saúde.

Por Bruno C. Dias - Abrasco | 31/05/16 - 16:05 | [Leia Mais] |

Ana Fonseca

Políticas sociais contra as desigualdades

“A Constituição de 1988 foi um marco na garantia da saúde como direito e um passo importante para a universalização da cidadania, apesar de, passados 26 anos, ainda estarmos em construção”, afirma a pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP), da Universidade de Campinas (Unicamp), Ana Maria Medeiros da Fonseca, uma dos idealizadoras do programa Bolsa Família e Brasil Sem Miséria. Ela lembra que, antes de 1988, existiam apenas as santas casas, os hospitais dos alienados e as instituições filantrópicas. “Saúde universal e gratuita como a que temos hoje, apesar das diferenças regionais e intermunicipais e das dificuldades que conhecemos, estava fora do nosso universo”.

Entrevista com Ana Fonseca por Região e Redes | 25/05/16 - 23:05 | [Leia Mais] |