Posts marcados como " Políticas Públicas em Saúde "

agenda

Perspectivas sobre a Reforma Sanitária na Colômbia (1993-2014) em debate na ENSP

No dia 4 de setembro, às 14h, o Centro de Estudos Políticas e Informação sobre Determinantes Sociais da Saúde (CEPI DSS/ENSP) em parceria com o projeto SDH Net promove o evento Perspectivas sobre a Reforma Sanitária na Colômbia (1993-2014), durante a semana comemorativa da escola. A moderação é de Patrícia Tavares Ribeiro, coordenadora do CEPI DSS. Entre os debatedores estão Jaime Breilh, Diretor da Área de Saúde e professor da Universidade Andina Simon Bolivar, Maurício Torres e Juan Carlos Eslava, professores da Universidade Nacional da Colômbia. Os temas em debate são: A epidemiologia crítica como instrumento de valorização da reforma em saúde e da construção, Mobilização social e ação coletiva na reforma e Processo socio-político da reforma e Notas comparativas sobre a reforma sanitária brasileira.

Por Jaqueline Pimentel | 21/08/14 - 17:08 | [Leia Mais] |

veneno2

Portal DSS Brasil publica série sobre agrotóxicos

A partir da próxima semana o portal DSS Brasil inaugura uma série especial sobre agrotóxicos. O uso de pesticidas no Brasil, a política de regulação destes compostos, a relação entre a saúde do trabalhador do campo e os agroquímicos e a regulação destes produtos, além das alternativas para o atual modelo de produção e a análise de quem atua neste campo, estarão em foco nesta série. A produção de defensivos para lavouras vem crescendo no âmbito global em grandes proporções. O Brasil tornou-se em 2008 o maior consumidor mundial de agrotóxicos. Um dossiê divulgado em 2012 pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) mostrou que a utilização de agrotóxicos nas lavouras do país saltou de 599,5 milhões de litros no ano de 2002 para 852,8 milhões de litros em 2011. Acompanhe a série. Comente, participe, compartilhe.

imagem.3

Nottingham (Inglaterra): estratégias para um peso saudável

A obesidade é uma condição fortemente associada à mortalidade prematura, ao aumento do risco para várias doenças, incluindo doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral e câncer, além de contribuir para a variação na expectativa de vida entre diferentes grupos sociais. Seguindo a série de notícias apresentadas pelo nosso Observatório sobre políticas de saúde no Reino Unido, o programa ‘Healthy Weight Strategy for Nottingham City 2011-2020’ é apresentado como uma gama de ações em diferentes níveis para crianças, adultos e famílias. São ações de prevenção em nível populacional, tendo como alvo o ambiente; ações orientadas, como a melhoria da nutrição e atividade física; e outras, como cirurgias e orientações dietéticas individuais.

Por Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore- correspondentes do portal DSS Brasil na Inglaterra | 21/08/14 - 14:08 | [Leia Mais] |

FOTOLIA1

A atenção à saúde voltada para indivíduos de alto risco pode aumentar as desigualdades sociais em saúde?

O debate não é novo, mas como ainda existe certa dualidade quanto à abordagem de prevenção de doenças, especialmente as cardiovasculares, o nosso Observatório não poderia deixar de apresentar os prós e os contras de duas abordagens no cuidado à saúde: a individual, voltada para pacientes de alto risco, e a de base populacional, direcionada para um maior número de indivíduos da população que inclui aqueles de médio e baixo risco. Dentre as críticas que a abordagem individual recebe, os autores citam a baixa efetividade, o alto custo, a medicalização dos indivíduos previamente saudáveis e o pequeno impacto na população, além da não resolução das causas mais profundas do problema e ampliação das desigualdades sociais em saúde.

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore, correspondentes do Portal DSS Brasil na Inglaterra | 13/08/14 - 04:08 | [Leia Mais] |

FOTOLIA2

Como os médicos ingleses que atuam na clínica médica lidam com a redução das desigualdades sociais em saúde?

A prática da clínica médica deve proporcionar, idealmente, um impacto positivo sobre a redução das desigualdades da saúde. Essa redução deve ocorrer em vários níveis, incluindo cuidados clínicos individuais e o engajamento comunitário. Na Inglaterra, apesar da longa caminhada teórica em prol da redução das iniquidades em saúde, permanece ainda certa “tensão” na prática no que diz respeito ao envolvimento dos médicos generalistas. Isso é particularmente relevante em relação ao tipo de abordagem para lidar com as desigualdades sociais da saúde, tais como a discussão entre a abordagem individual (cuidados em saúde em nível dos indivíduos) versus a abordagem populacional.

Por Gabriela Lamarca e Mario Vettore, correspondentes do Portal DSS Brasil na Inglaterra | 13/08/14 - 02:08 | [Leia Mais] |

palestrazulmira

Informação, inovações e gestão na saúde em foco na ENSP

O Twitter gera todos os dias 500 milhões de posts, o Facebook opera em cerca de 70 idiomas. A velocidade com a qual a informação é lançada para os indivíduos e a quantidade de conteúdo produzido dentro e fora da rede é algo avassalador. Os processos para a coleta de dados em geral, e sua transformação em informação, bem como o uso correto do conhecimento produzido, foram destaque no dia 6 de agosto, no Centro de Estudos Miguel Murat, no debate Abordagens complementares em gestão e avaliação do conhecimento nas inovações em saúde. O evento teve coordenação da vice-diretora de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da ENSP/Fiocruz, Sheila Mendonça de Souza. Confira aqui a cobertura.

Por Jaqueline Pimentel | 08/08/14 - 14:08 | [Leia Mais] |

Francisco Inácio:

Pesquisador fala sobre levantamento do uso de drogas no Brasil

Em maio deste ano, o Icict, em parceria com diversos pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz e de outras instituições, foi escolhido para realizar o III Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira, com o apoio da Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tencológico em Saúde (Fiotec). A pesquisa será coordenada pelo pesquisador Francisco Inácio Bastos, que também coordenou o projeto “Crack – Vulnerabilidades”. “Para um levantamento realmente nacional, precisamos fazer uma coisa que chamamos de sobreamostrar, ou seja, incluir mais do que a gente incluiria se a escolha fosse feita inteiramente ao acaso, algumas áreas específicas, porque elas têm um interesse específico”, explicou.

Por Janaína Campos (Fiotec) | 07/08/14 - 14:08 | [Leia Mais] |